Atravessando a Cordilheira dos Andes em um voo comercial – REVISTA ASAS

julho 22, 2022 Off Por Admin

Desde o início da era da aviação na América do Sul, o homem queria atravessar a grande muralha da Cordilheira dos Andes em um avião. Desde o início da aviação comercial na região, as rotas transandinas são operadas por inúmeras companhias aéreas e aeronaves.

Mas hoje em dia, é muito mais comum ver aeronaves cruzando de um lado a outro da cordilheira, que é a espinha dorsal do continente. Mas, você já se perguntou por que você tem que apertar os cintos de segurança? Por que a maioria das aeronaves atravessa o sul do continente e não a área da Colômbia e do Peru? Responderemos a todas essas perguntas e muitas outras neste artigo.

Que fatores dificultam a travessia da cordilheira?

A Cordilheira dos Andes é uma cadeia montanhosa que se estende de sul a norte e atinge uma altitude máxima de 6.900 metros (Monte Aconcágua) na área central do Chile e Argentina, perto das cidades de Santiago e Mendoza. No setor sul da América do Sul, a cordilheira é mais estreita do que no norte, ou seja, áreas de países como Peru, Colômbia e Equador. Esta informação é importante para entender porque a maioria dos voos cruzam o sul da serra e não o norte.

Agora, os dois fatores que podem afetar uma travessia da cordilheira em um voo comercial ou privado são meteorológicos. O primeiro fator são as ondas de montanha, são variações na direção do vento que são geradas quando uma forte corrente de ar colide perpendicularmente com uma cordilheira muito alta.

Essas ondas de montanha são encontradas em muitas cadeias, como os Alpes e as Montanhas Rochosas. Graficamente são descritas como as ondas do mar agitado, que, variando sua direção tanto vertical quanto horizontalmente, atingem a aeronave por baixo ou pelas laterais, gerando turbulência moderada ou severa.

Um indicador visual que permite discernir a presença de turbulência sobre as montanhas é a formação de nuvens lenticulares. Essas nuvens alertam sobre a presença de turbulência, mas são um indicador preciso da presença de uma onda de montanha. Nuvens lenticulares são camadas de nuvens que se formam acima das cúpulas das montanhas, cobrindo-as como um véu.

O segundo fator é a corrente de jato. Em todo o globo, existem correntes ou jatos de ar chamados Jetstream, que vão na direção oeste-leste e geralmente são encontrados nas latitudes +/- 30 e +/- 60. Aqui está o primeiro fator. Santiago do Chile está localizada perto da latitude 30, o que significa que uma corrente de jato circula acima dela em direção à Argentina.

Esses jatos de ar são formados por uma corrente de ar que circula em alta velocidade, que tem uma extremidade com ar quente e uma extremidade com ar frio, geralmente no hemisfério sul, o norte é o ar quente e o sul é o ar frio. Também a velocidade do fluxo varia de acordo com a época do ano. Entre os meses de abril e agosto, ela tende a se acelerar, esse fenômeno se deve ao fato de a atmosfera esfriar e a tropopausa, que é o limite entre a troposfera e a estratosfera, estar em níveis mais baixos. 

Essa descida da tropopausa pressiona verticalmente o fluxo de ar contra a cordilheira e produz-se um efeito venturi, em que um fluido é acelerado ao passar por uma seção mais estreita do tubo que o transporta. É por isso que ao cruzar, você pode encontrar ventos de mais de 130 nós (240 km/h).

Essa aceleração da corrente de jato também gera uma onda de montanha maior, que pode se estender até 200 milhas (322 km) fora da área da montanha. Esta é uma das principais razões pelas quais é obrigatório que a tripulação ligue o sinal de cinto de segurança, pois as ondas da montanha nem sempre são visíveis e seu abalroamento pode ser severo.

Quantas formações de gelo existem na cordilheira?

A formação de gelo na cordilheira é muito variável, dependendo das condições atmosféricas. Em geral, a carga de gelo é leve a moderada, mas há casos em que as condições atmosféricas são muito desfavoráveis, formando cumulus nimbus, por exemplo, em que a aeronave pode experimentar uma carga de gelo severa. Deve-se notar que estas são condições atmosféricas atípicas.

A corrente de jato nos meses de inverno pode gerar ventos de mais de 130 nós. Na imagem, vento do setor oeste a 158 nós

Existem alternativas para fazer cruzamentos?

Para a travessia da cordilheira, existem diferentes pontos entre a Argentina e o Chile. Ao planejar o voo e a rota, devem ser levados em consideração os alertas Sigmet, alertas meteorológicos de condições extremas como fortes turbulências, além de estar atento aos relatos de travessias feitas anteriormente e que passaram por fortes turbulências ou cargas severas de gelo.

Caso esses fatores ocorram, o percurso será planejado por outro ponto de passagem mais ao norte ou mais ao sul, evitando a área de conflito.

Por que os voos da Argentina para os Estados Unidos passam por San Juan?

Essa travessia ocorre de acordo com as rotas de despressurização, ou seja, caso a aeronave sofra uma despressurização, o oxigênio disponível a bordo ficará disponível por tempo limitado. Em aeronaves como o Boeing 767, há 13 minutos de oxigênio, o que significa que a aeronave deve atingir níveis abaixo de 10.000 pés antes que este tempo termine.

Monte Aconcágua. 6962 metros acima do nível do mar | Foto: AERO Magazine/Martin Romero

Atravessar a cordilheira por San Juan, na Argentina, significa menos tempo de sobrevoo e, portanto, uma melhor rota de despressurização. Por outro lado, se atravessar o Atacama, no Chile, já que a cordilheira é mais larga, seria muito justo com o tempo de oxigênio. O tempo de oxigênio varia de acordo com a aeronave e a configuração escolhida pela transportadora. Por exemplo: os Airbus A320 da Latam têm oxigênio disponível por 22 minutos, o que torna a travessia da área do Atacama mais confortável, especialmente em rotas como Buenos Aires ou Montevidéu até Lima.

Saber quais fatores influenciam uma travessia da serra nos ajuda a perder o medo de voar. Sabemos que as tripulações e o pessoal de terra são treinados para evitar todos esses fatores de antemão ou em voo.